Pode parecer estranho, mas o transplante de fezes (FMT) de um doador saudável é um tratamento cada vez mais comum para alguém com infecção estomacal. Estima-se que dezenas de trilhões de microrganismos vivem em nosso intestino e, se o equilíbrio da flora sair do controle, serão causadas inúmeras doenças e problemas desagradáveis.

Publicidade

Além das complicações na digestão, os cientistas acreditam que os transplantes de matéria fecal podem ser uma das futuras curas para uma tonelada de doenças diferentes, entre elas o Alzheimer e o câncer. No geral, o FMT é usado para tratar infecções causadas por Clostridium difficile, ou apenas “C. diff”, uma bactéria que causa condições problemáticas como diarreia, náusea e febre. A “C. diff” pode ser encontrada em todos os lugares: solo, água e até mesmo em alguns produtos alimentares e seu tratamento requer antibióticos e internações, mas que nem sempre podem ter resultados eficazes.

Mesmo após inúmeras rodadas de antibióticos, é possível que alguns pacientes enfrentem o retorno da bactéria. É nesse cenário que o FMT pode servir como tratamento e ajudar organismos que não respondem aos medicamentos, que com o tempo destroem a flora intestinal. Nesse sentido, o FMT também se torna útil, pois ajuda a reabilitar o equilíbrio das bactérias intestinais após um período de longa exposição aos antibióticos.

Publicidade

 

publicidade

Como funciona um Transplante de Fezes

Reprodução

O preparativo do procedimento é parecido com uma colonoscopia, um exame que usa técnicas da endoscopia para analisar o intestino grosso. Depois de tomar um remédio contra a diarreia e ser sedado, o paciente recebe uma injeção do transplante da amostra fecal no cólon através de um tubo de colonoscopia. Após acordar, o remédio contra a diarreia segura as bactérias saudáveis no organismo, o que aumenta as chances de se proliferarem e auxiliarem o tratamento.

Publicidade

A doação normalmente vem através de familiares ou amigos, mas qualquer um pode realizar. Para isso, é necessário passar por um processo rígido com visitas ao laboratório pelo menos duas ou três vezes por semana para garantir que a flora intestinal é saudável.

O FMT não está entre as práticas favoritas dos médicos no que diz respeito às condições de segurança. Em junho deste ano, o FDA (Food and Drug Adminsitration) a “Anvisa americana” informou aos profissionais da saúde que dois adultos imunocomprometidos sofreram infecções com o procedimento e deles um faleceu.

Agora, o FDA tem novas medidas de segurança para o FMT e classificam os transplantes como “investigacionais”. Em outras palavras, a agência reconhece que o procedimento pode ter riscos e por isso, deve ser o último recurso escolhido pelos pacientes. Atualmente, existem vários estudos clínicos que investigam transplantes fecais como cura para a Doença de Crohn e Síndrome do Intestino Irritável.

Publicidade

No Brasil, o primeiro transplante de fezes ocorreu em 2014 no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, para tratar de colite. Três anos depois o Hospital das Clínicas da UFMG foi pioneiro em criar um Centro de Transplante de microbiota fecal e manter um banco de fezes, mantido por quatro doadores. Além disso, é possível realizar o procedimento no SUS e em convênios – apesar de ainda não existir uma tabela de preços específica.

 

Via: CNet

Publicidade