Nesta terça-feira (26), o Google divulgou algumas informações sobre a escala mundial de atividades fraudulentas cometidas por cibercriminosos. De julho a setembro deste ano, a empresa enviou mais de 12 mil avisos para usuários do mundo todo informando que invasores estavam tentando conseguir acesso de contas Google por meio de golpes de phishing.

Publicidade

Para ilustrar a ameaça, o Google divulgou um mapa que separa os ataques por região. Como era de se esperar, os EUA estiveram entre os países que mais sofreram com a prática. Além dele, os ataques também se concentraram nos usuários do Paquistão, Coreia do Sul e Vietnã.

Foto: Google

Publicidade

A empresa ainda divulgou que 90% dos usuários afetados foram atingidos por e-mails que tentavam induzir a vítima a entregar informações de acesso da sua conta do Google. O que muitas vezes impede que o golpe seja concretizado são pequenos detalhes. Como destaca Shane Huntley, diretor de segurança do Google, citando como exemplo um e-mail que tentava se passar pela companhia, mas que se denominava “Goolge”. A mensagem fraudulenta sugeria que o usuário protegesse sua conta ao redefinir sua senha.

publicidade

O que preocupa muitas pessoas é como o ataque parece ignorar a autenticação de dois fatores presente na maioria dos produtos do Google. Esse sistema solicita um código de segurança enviado para o smartphone cadastrado do usuário para autorizar o acesso. Entretanto, isso não ocorre, os criminosos acessam a conta diretamente, mesmo possuindo apenas a senha dos usuários.

O Google afirma que detecta cerca de 100 milhões de mensagens de phishing por dia. Portanto, os cibercriminosos representam apenas uma pequena porcentagem dos ataques. Estima-se que a maioria dos consumidores nunca se tornará alvo de um golpe desses, mas, mesmo assim, todo cuidado é pouco.

Publicidade

Para proteger usuários em risco, como políticos, ativistas e jornalistas, o Google criou em 2017 o Programa de Proteção Avançada. Com ele, os usuários recebem uma camada de proteção extra justamente por trabalharem com informações sensíveis que, se vazadas, podem acabar dando início a uma crise.

O Google revelou que mais de 15 mil usuários fazem parte do programa atualmente. Ainda de acordo com a empresa, qualquer pessoa pode se inscrever no programa, mas para ser aceito, é necessário que o usuário adquira duas chaves de segurança, o que custa US$ 50 (cerca de R$ 213).

Via: PC Mag

Publicidade