Nove espécies humanas andaram na Terra há 300 mil anos atrás. Hoje existe apenas uma. Os neandertais eram caçadores atarracados adaptados ao clima frio da Europa. Os denisovanos habitavam a Ásia, enquanto os Homo Erectus mais primitivos vivam na Indonésia e o Homo Rhodesiensis na África Central.

Publicidade

Várias espécies baixas e de cérebro pequeno sobreviveram ao mesmo tempo: Homo Naledi na África do Sul, Homo Luzonensis nas Filipinas, Homo Floresiensis na Indonésia e os misteriosos “homens da caverna” na China. Dada a rapidez com que estamos descobrindo novas espécies, é provável que haja mais para serem encontradas.

Há 10 mil anos atrás, todos eles foram embora. O desaparecimento dessas outras espécies se assemelha a uma extinção em massa. Não há nenhuma catástrofe ambiental óbvia, erupções vulcânicas, mudança climática ou impacto de asteroides impulsionando-a. Em vez disso, o momento das extinções sugere que elas foram causadas pelo aparecimento de uma nova espécie, evoluindo entre 260 a 350 mil anos atrás na África Austral, o Homo Sapiens. A sexta extinção em massa pode ter como vítima, o próprio ser humano.

Publicidade

A disseminação de seres humanos modernos fora da África causou uma outra extinção em massa, um evento que ocorreu há 40 mil anos que se estende desde o desaparecimento de mamíferos da Era do Gelo até a destruição de florestas tropicais pela civilização nos dias atuais.

publicidade

Somos uma espécie extremamente perigosa. Nós levamos mamutes, preguiças gigantes e moas, aves de 3,6 metros de altura, à extinção. Destruímos planícies e florestas para agricultura, modificando mais da metade da área terrestre do planeta e alteramos o clima. Mas somos mais perigosos para outras populações humanas porque competimos por recursos e terras.

Os otimistas pintaram os primeiros caçadores como pacíficos, nobres selvagens e argumentaram que nossa cultura, não nossa natureza, cria violência. Mas estudos de campo, relatos históricos e arqueologia mostram que a guerra nas culturas primitivas era intensa e letal. Armas neolíticas, como clavas, lanças, machados e arcos, combinadas com táticas de guerrilha, ataques e emboscadas foram devastadoramente eficazes. A violência foi a principal causa de morte entre os homens nessas sociedades, e as guerras tiveram níveis mais altos de vítimas por pessoa do que Primeira ou a Segunda Guerra Mundial.

Publicidade

A existência de violência cooperativa entre chimpanzés machos sugere que a guerra é anterior à evolução dos seres humanos. Esqueletos neandertais mostram padrões de traumas compatíveis com guerras. Mas armas sofisticadas provavelmente deram ao Homo Sapiens uma vantagem militar. O arsenal do início do Homo Sapiens provavelmente incluía armas de projeteis, como lança e dardos.
Ferramentas e culturas complexas também teriam nos ajudado a coletar com eficiência uma ampla variedade de plantas e animais, alimentando tribos maiores e dando à nossa espécie uma vantagem estratégica em número.

 

Via: The Next Web

Publicidade