Todos concordam que os cachorros têm um bom nível de inteligência para os padrões dos animais. Porém, o que não se imagina, é que eles podem realizar algumas tarefas mais complexas, como entender matemática.

Publicidade

Um estudo realizado pela Universidade de Emory, nos Estados Unidos, determinou que os cães usam a mesma área do cérebro que os humanos para fazer contas. Vale lembrar que isso ocorre em níveis diferentes, obviamente.

Pesquisas anteriores já haviam sugerido que os cães possuem habilidades matemáticas. O novo estudo se diferencia pelo modo como foi conduzido: foram analisados animais sem treinamento algum e uma máquina de ressonância magnética acompanhou os resultados em tempo real.

Publicidade

Ao todo, 11 cachorros foram usados como cobaias. Todos eles adultos e saudáveis, das mais diversas raças, como Golden Retriever, Pitbull e Border Collie.

publicidade

Os cães, que entraram voluntariamente no aparelho, ficaram olhando para uma tela em que pontos luminosos variavam de número e tamanho. Enquanto isso, os pesquisadores puderam observar como os cérebros desses animais funcionavam enquanto eles visualizavam as imagens. No monitor da ressonância, o cérebro dos bichos alternava de cor em algumas áreas específicas durante o processo.

Com isso, foi possível concluir que os cachorros utilizam os lobos parietal e temporal do córtex cerebral – assim como os humanos – para essas tarefas. Além disso, eles observaram que a atividade neural aumentava conforme as proporções matemáticas se modificavam.

Publicidade

A conclusão que os cientistas chegaram é de que os cachorros usam partes do cérebro semelhantes às dos humanos para entender operações matemáticas básicas. Tudo acontece de forma espontânea, sem qualquer tipo de treinamento ou sistema de recompensas.

O estudo mostra que os animais se equiparam a uma criança humana ou um primata quando se trata da interpretação de números. A próxima etapa do estudo pretende entender como o cérebro humano se desenvolve para compreender operações matemáticas mais complexas.

Para ilustrar como o estudo foi feito, a universidade divulgou um vídeo. 

Publicidade

      

Via: UOL

Publicidade