A UL Benchmarks, desenvolvedora do 3DMark, removeu alguns aparelhos da Huawei de seus rankings de resultados. O motivo foi uma “trapaça” feita pela empresa em modelos da linha P20 e também no Nova 3 e no Honor Play para ganhar alguns pontos a mais nos testes. A empresa chinesa admitiu praticar a manobra, tanto em comunicado divulgado nesta sexta quanto em entrevista ao site AnandTech, que descobriu o esquema.

De acordo com a fabricante, a inteligência artificial dos smartphones detectava quando o aparelho começava a rodar um benchmark. Assim, o modo de alta performance dos celulares era ativado, fazendo com que o aparelho dedicasse mais recursos do que o normal para o aplicativo. É quase quase como um overclock situacional.

publicidade

A mesma prática é utilizada na hora de executar um jogo mais pesado. No entanto, ativar esse modo de melhor desempenho especificamente para um app de benchmark contraria a ideia deles, que é justamente avaliar um aparelho em uma situação de uso normal.

A Huawei atribuiu a manobra à alta competição no mercado chinês. Conforme explicou o Dr. Wang Chenglu, presidente de software da empresa, ao AnandTech, outras fabricantes também trapaceiam nesses testes, o que a forçou a seguir a prática.

publicidade

Ainda assim, a empresa se comprometeu a acabar com essa ativação automática do modo de performance em uma próxima atualização da EMUI 9.0, sua interface de Android. O objetivo é dar aos usuários dos aparelhos controle total sobre o recurso.

Os aparelhos — P20, P20 Pro, Nova 3 e Honor Play — continuarão fora da lista dos apps da UL até que todos os donos de aparelhos da Huawei tenham acesso à atualização.