A Amazon e a SpaceX estão brigando por causa de planos da empresa de Jeff Bezos para lançar uma constelação de satélites, conhecida como “Projeto Kuiper”, para oferecer acesso à internet em banda larga a todo o planeta. Quando concluído, o projeto seria um concorrente direto da constelação Starlink, da Space X.

Publicidade

O motivo da discussão é o processo regulatório necessário para o uso de frequências de comunicação entre os satélites e estações no solo. Empresas interessadas nestas frequências deveriam ter submetido um pedido de autorização à FCC (agência de telecomunicações dos EUA, equivalente à nossa Anatel) até novembro de 2016, coisa que a SpaceX e outras oito companhias fizeram dentro do prazo, mas a Amazon não.

Em julho deste ano a Amazon entrou com um pedido de autorização especial junto à FCC para que pudesse utilizar as frequências em questão, basicamente “furando a fila”. Algo que obviamente não foi bem-visto pelas empresas que participaram do processo.

Publicidade

Segundo a Motherboard, a SpaceX, OneWeb, Iridium e outras empresas estão pressionando a FCC contra esta autorização, com queixas entregues por escrito e pessoalmente a funcionários da agência.

publicidade

“A tentativa aberta da Amazon de anular as regras de longa data prejudicaria a confiança nos processos da Comissão, a concorrência e eliminaria as opções de banda larga para os consumidores”, disseram os advogados da SpaceX em documento datado de 25 de novembro, segundo a Motherboard. Eles acrescentam que o Projeto Kuiper teria um “impacto prejudicial significativo na SpaceX “e que “as análises falhas da Amazon produzem resultados que desafiam o bom senso”.

Quanto completa, a Starlink terá 12.000 satélites em órbita. 122 já foram lançados, com previsão para o lançamento de mais 1.400 em 2020 e início da operação no mesmo ano. O Projeto Kuiper, da Amazon, contará com 3.236 satélites, mas até o momento nenhum foi lançado. Nesta semana que a empresa anunciou planos para abrir uma fábrica em Redmond, Washington, onde irá desenvolver e produzir suas espaçonaves.

Publicidade

Fonte: Business Insider