Antes coisa de ficção científica, armas hipersônicas estão se tornando uma ameaça cada vez mais real. Capazes de viajar a pelo menos cinco vezes a velocidade do som e manobrar para atingir um alvo, elas podem destruir um exército inteiro em questão de minutos, sem dar às vítimas tempo para reagir.

Publicidade

Recentemente, a Rússia demonstrou o Avangard, um planador hipersônico capaz de viajar a nove vezes a velocidade do som, percorrendo 11.200 km em uma hora, e capaz de carregar uma arma nuclear de 2 megatons, mais de 130 vezes a potência da bomba de Hiroshima.

Para conter ameaças como esta, a Agência de Defesa de Mísseis dos Estados Unidos está apostando em uma nova tecnologia de sensores especialmente projetada para rastrear continuamente mísseis hipersônicos, chamada HBTSS. A nova tecnologia será capaz de detectar e rastrear ameaças hipersônicas e mísseis balísticos, fornecendo dados críticos com baixa latência ao Sistema de Defesa Contra Mísseis do país.

Publicidade