Há 30 anos uma espaçonave norte-americana não visita o planeta Vênus. Embora seja similar à Terra em tamanho, massa e composição, as condições infernais na superfície tornam a exploração extremamente difícil. A temperatura média é de 462 °C, enquanto a pressão atmosférica equivale à encontrada a 900 metros sob nossos oceanos e uma grossa camada de nuvens composta por ácido sulfúrico dificulta a obtenção de imagens de satélite.

Publicidade

Agora, um grupo de pesquisadores e engenheiros chamado VEXAG – Grupo de Análise para Exploração de Vênus, ligado a Nasa, estuda formas de retornar ao planeta e coletar dados valiosos para o estudo da evolução planetária, que talvez sejam úteis para o nosso futuro. Os engenheiros pretendem construir um veículo orbital chamado VERITAS, que iria mapear a superfície do planeta em alta resolução usando frequências capazes de atravessar as nuvens.

Na segurança do espaço, o satélite poderia medir mudanças na paisagem através do tempo, acompanhar erupções vulcânicas e procurar sinais de terremotos ou da movimentação de possíveis placas tectônicas, como na Terra. Até o momento, o grupo de pesquisadores não tem uma data prevista para enviar a nova missão ao planeta Vênus.

Publicidade