Quem nunca ficou sem bateria no celular no meio do dia? A popularização dos aplicativos e o uso intenso dos smartphones tem feito a energia dos aparelhos durar cada vez menos. Para quem passa a maior parte do tempo em um local com acesso à energia elétrica, é fácil fazer o carregamento quando necessário.

Publicidade

Já quem fica em trânsito ou trabalha fora do escritório precisa de uma alternativa. E é aí que entram os power banks – as famosas baterias externas. Há cada vez mais variedade nesse segmento, mas é importante saber escolher o mais adequado a cada necessidade.

Então, um dos primeiros fatores a avaliar é a capacidade. Ela pode variar de 2 mil mAh a mais de 20 mil mAh. Um power bank que armazene pouca energia pode ser limitante: vale lembrar que os celulares têm baterias de, em média, 3 mil mAh. Então, um power bank de 2 mil mAh, por exemplo, não vai fornecer nem uma carga completa ao aparelho.

Publicidade

Além de definir a capacidade, é preciso lembrar da certificação. Afinal, é ela quem garante que não há riscos à segurança de quem usa a bateria externa. Ela é dada pela Anatel e dispositivos sem ela podem ser perigosos: em casos extremos, causam até explosões. Fique atento, então, a opções vindas de fabricantes duvidosos.

publicidade

Outro fator a ser considerado é o custo-benefício do power bank. Modelos com mais capacidade são mais caros do que os que oferecem menos energia. E isso tem relação direta com os componentes internos: enquanto um de 2 mil mAh usa uma única pilha de lítio para armazenar carga, um de 20 mil mAh leva quatro placas de polímero de lítio – que são mais caras que as pilhas.

O material externo também pode influenciar o preço. Modelos com carcaça de plástico, por exemplo, são mais baratos do que os que usam alumínio. E a resistência é igualmente afetada, já que, em uma queda, um power bank de plástico pode acabar quebrado enquanto um de metal deve receber apenas amassados e arranhões.

Publicidade

A saída de energia é mais um dos aspectos a serem avaliados. Isso porque uma saída de 1A fornece um carregamento bem mais lento do que uma de 2A, por exemplo. Então, se for necessário carregar o aparelho rapidamente, isso pode fazer bastante diferença.

No Brasil, o consumidor é mais propenso a escolher baterias externas com capacidades médias, entre 5 mil mAh e 10 mil mAh, e acabamento em plástico – afinal, essas são as opções com custo mais atraente.

Se escolher bem a capacidade do power bank e optar por um modelo homologado pela Anatel, há grandes chances de ter um companheiro fiel para quando a bateria do celular estiver já perto do fim.

Publicidade