Após ser fechado em agosto por estar associado aos tiroteios em El Paso (EUA), o fórum anônimo 8chan, conhecido pelos discursos de ódio, voltou a internet renomeado como 8kun, segundo noticiado pelo Gizmodo. O novo nome foi anunciado no começo de outubro e os donos da plataforma estão convidando, via rede social, antigos donos de fóruns a migrarem para o 8kun.

Publicidade

Foi no 8chan que o atirador de El Paso, no Texas, publicou seu manifesto de quatro páginas no início desse ano e meses depois, o supremacista branco se tornou o autor do crime que matou 20 pessoas no Walmart. Após o incidente, inúmeros provedores como a Cloudflare e Voxility se recusaram de manter o serviço no ar, desconectando-o.

O tiroteio no Texas não foi o único caso de terrorismo e de crimes de ódio incentivados na plataforma: esse ano os responsáveis pelos tiroteios de Christchurch, na Nova Zelândia e Poway, Califórnia, também postaram seus manifestos no 8chan antes de atirar contra mesquitas e sinagogas em suas respectivas cidades e matar dezenas de pessoas. O discurso de ódio não é algo raro nesse tipo de crime e, cada vez mais, fóruns online se tornaram ambientes de proliferação desse fenômeno sob a proteção da “liberdade de expressão”. Outros sites do gênero são o Gab e o Volt, conhecidos por discursos antissemitas, racismo, entre outros extremistas.

Diante de processos intensos feitos por legisladores dos EUA, o dono e operador do 8chan, Jim Watkins, afirmou ao Congresso em setembro que o site estava “offline voluntariamente” e que talvez retornasse após desenvolver ferramentas para controlar o conteúdo ilegal. No entanto, Watkins afirmou que o 8chan “não possui intenções de deletar o discurso de ódio protegido constitucionalmente”.

publicidade
Publicidade

O 8kun possui frases de efeito no topo de sua homepage, com avisos afirmando que “qualquer conteúdo que viole as leis dos Estados Unidos da América será deletado e o usuário banido”. Porém, não está claro se a plataforma mudou as políticas de seus conteúdos e, em caso positivo, quais são elas.

 

Via: The Verge, Vice

Publicidade