Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Washington e da Universidade Carnegie Mellon, nos EUA, demonstrou pela primeira vez um sistema capaz de conectar diretamente três cérebros humanos em uma rede, que foi batizada de “BrainNet”.

Publicidade

Segundo os pesquisadores, esta é a primeira interface não invasiva conectando diretamente cérebros para solução colaborativa de problemas. Para isso são combinadas técnicas de eletroencefalografia (EEG), para gravar, e estimulação magnética transcraniana (TMS) para enviar, informações de forma não invasiva.

No total 15 participantes foram divididos em grupos de 3 individuos, que participavam de um jogo similar ao Tetris: o objetivo era rotacionar e mover blocos na tela para preencher linhas e fazê-las desaparecer. Dois participantes, batizados de emissores, viam a tela do jogo e decidiam se era necessário ou não rotacionar um bloco. Estes sinais de “sim” ou “não” eram enviados via internet a um terceiro participante, o receptor, que não via a tela do jogo mas tinha o poder de decidir o que fazer.

Publicidade

O desempenho do grupo no jogo, bem como as taxas falsos positivos e negativos nas decisões, foram avaliados pelos cientistas, que chegaram à conclusão de que a precisão geral foi de 81,25%. Para avaliar a confiabilidade do sistema eles injetaram “ruído” na comunicação entre um dos emissores e o receptor, na expectativa de influenciar os resultados. E perceberam que o receptor aprendeu a levar em conta o ruído antes de tomar uma decisão, preferindo o emissor mais confiável.

publicidade

Segundo os pesquisadores, os resultados apontam um caminho para a criação de futuras interfaces cérebro-a-cérebro que possibilitem aos humanos resolver problemas usando uma “rede social” de cérebros conectados. Talvez no futuro todos seremos um pouco como os Borg, de Star Trek.

Fonte: Nature

Publicidade