O Presidente da República e sua equipe não possuem qualquer tipo de proteção específica contra ataques de drones.

Para conter eventuais ameaças à Presidência, o GSI – Gabinete de Segurança Institucional – quer comprar três sistemas de segurança, no valor de R$ 739 mil cada. Junto com o treinamento de nove funcionários, também previsto no edital, o valor total na melhoria da segurança da equipe de Jair Bolsonaro deve superar a marca de R$ 2,2 milhões.

Os sistemas de proteção devem ser instalados nos palácios do Planalto, da Alvorada e do Jaburu, onde trabalham o presidente Jair Bolsonaro e o vice Hamilton Mourão. 

De acordo com o edital lançado pelo GSI, os dispositivos vão emitir um alerta sempre que for detectada uma “invasão de drones na áres delimitada” pela segurança. O documento explica: “a partir do sinal de alerta, o sistema de comando e controle deverá registrar, classificar, alertar e acionar o subsistema de neutralização, que deverá ser capaz de interferir diretamente sobre o drone, obrigando-o a descer”.

publicidade

O sitema de monitoramento pode detectar essas aeronaves a uma distância de cem metros após o limite delimitado para as áreas dos palácios do Planalto.

Para justificar tamanho investimento na compra, o GSI afirma que, no caso da Presidência da República, ameaças se tornaram “concretas” a partir da eleição dos atuais presidente e vice-presidente. Como exemplo, o edital aponta quatro situações em que drones se aproximaram do presidente, do seu vice ou de prédios presidenciais.

Via: O Globo