A Suprema Corte da Índia concluiu que Google, Yahoo e Microsoft estão violando a legislação local ao permitir que seus sistemas de busca hospedem publicidade relacionada a ferramentas, kits e clínicas que ajudam a determinar o sexo de um feto.

Segundo reporta a CNET, informar o gênero durante o pré-natal se tornou crime na Índia em 1994, numa tentativa de impedir casos de aborto motivados pelo sexo das crianças.

Conforme reporta o Economic Times, advogados das três companhias vêm insistindo que não é tecnicamente viável aplicar um controle por palavras-chave porque isso faria com que todos os links remotamente relacionados ao tema fiquem inacessíveis para os internautas locais.

O tribunal, então, sugeriu que se as empresas não possuem tecnologia que as permitam respeitar a legislação indiana, elas deveriam deixar o país. “Você não pode dizer que não está tecnicamente equipado. Se disser que [não] está, saia do mercado”, afirmou a mais alta instância jurídica local.

publicidade

Dentro de dez dias as três companhias terão de se encontrar com especialistas apontados pelo governo para discutir quais passos devem ser tomados para impedir o aparecimento desse tipo de publicidade em seus sites.